5.4. Comparação de valores numéricos reais

Quando comparamos valores inteiros podemos usar o operador relacional ==. Quando comparamos valores com parte decimal (double ou float) temos que ter cuidado pois, devido ao número limitado de algarismos significativos nestes tipos, pequeníssimos erros podem ser introduzidos que fazem com que a comparação não produza o efeito desejado.

Estes erros podem ser introduzidos não só na representação dos números em decimais vírgula flutuante, mas também nos cálculos que vamos fazendo ao longo do programa.

O operador == só resulta num valor true quando os valores comparados são exatamente iguais. A execução do seguinte pedaço de código escreveria diferentes! no ecrã:

E a execução da instrução

System.out.println("x = " + x + " w = " + w);

escreveria x = 10.1 w = 10.100000000000001 no ecrã:

 

Devemos então comparar números com parte decimal de forma não exata, ou seja, definindo uma tolerância máxima até à qual é aceitável considerar que os números são iguais:

Se chamarmos delta à tolerância, então a condição w > x – delta && w < x + delta define os valores w que consideramos iguais a x.

Esta condição é equivalente a esta outra w - x > –delta && w - x < delta que é exatamente a que resulta de desdobrar o módulo |w – x| < delta.

O seguinte método permite decidir se dois números com parte decimal são iguais a menos de uma tolerância delta.

A execução das instruções seguintes, por exemplo, inseridas no método main da classe contendo o método iguais, escreveria iguais! no ecrã.

Aqui aceitámos considerar que os valores são iguais desde que a sua diferença, em valor absoluto, seja menor que 0.0001.

Sempre que queremos comparar valores numéricos não inteiros devemos fazê-lo desta maneira.

 

Experimente executar "ao vivo":

Na execução deste programa dá bem para ver, através do conteúdo das variáveis, que a representação dos valores no tipo double não é necessariamente exata, devido ao número de algarismos significativos ser limitado.

 


 

Anterior: 5.3. Ainda a documentação

Seguinte: 6. Ciclos